Notícias

25 de maio de 2022

Gran Finale da FAPESP ESPCA - IODP Training Course on Alpha Crucis

O Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IO-USP) sediará amanhã (25/05) o evento “Gran Finale da FAPESP ESPCA - IODP Training Course on Alpha Crucis”.


01 de abril de 2022

São Paulo School of Advanced Science on IODP training on Alpha Crucis

Esta escola realizará expedições educacionais em um período limitado a partir de plataformas múltiplas de perfuração brasileiras como o Alpha Crucis (IO-USP, FAPESP). Parte integrante do Programa Internacional de Descobrimento do Oceano (IODP, da qual a CAPES é uma das instituições parceiras), as expedições visam ensinar para estudantes de pós-graduação, pós-doutorados e jovem professores informações essenciais do sistema terrestre (Física, Química, Biologia, Geologia e Oceano), aumentando sua interação em uma visão multinacional e multidisciplinar. O objetivo é selecionar cerca de 40 alunos, dos quais de 10 a 20 estrangeiros.


13 de setembro de 2021

No Brasil, risco de tsunâmis é baixo, mas revela necessidade de estudos geológicos

A erupção do vulcão Cumbre Vieja, localizado na ilha La Palma, no arquipélago das Canárias, na Espanha, no dia 19 de setembro, despertou a atenção de governantes espanhóis por conta da destruição que sua explosão causaria. Outra especulação foi a possibilidade de um tsunâmi atingir a costa brasileira a partir das atividades sísmicas e vulcânicas no arquipélago espanhol. Luigi Jovane, professor do Instituto de Oceanografia da USP e especialista em Geofísica Marinha, explicou alguns pontos que afastam a possibilidade de uma onda gigante nos litorais brasileiros ao Jornal da USP no Ar 1° Edição.


18 de junho de 2021

Estudo revela como o maior lago do mundo sumiu há 10 milhões de anos

P esquisa publicada este mês na revista Scientific Reports revela a formação e o desaparecimento, há cerca de 10 milhões de anos, do maior lago conhecido na história da Terra: o Paratethys, localizado na Eurásia, entre os Alpes Orientais e o atual Cazaquistão.


13 de maio de 2021

Estudo aponta microrganismos como possível origem de metais em planalto submarino

A riqueza biológica e mineral da Elevação do Rio Grande – monte submarino localizado a 1,5 mil quilômetros da costa brasileira – guarda estreita relação com criaturas microscópicas ainda pouco conhecidas. Pesquisadores do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IO-USP), em projeto desenvolvido em colaboração com o National Oceanography Centre, da Inglaterra, descreveram os microrganismos presentes nas crostas oceânicas de ferromanganês da região e concluíram que as bactérias e as arqueias são potencialmente responsáveis pela manutenção da abundante vida local, além de estarem envolvidas no processo de biomineralização que dá origem aos metais presentes nas crostas.


16 de abril de 2021

Estudo em lago do Quênia ajuda a datar segundo fóssil mais antigo do Homo erectus

Uma pesquisa realizada no Instituto Oceanográfico (IO) da USP para entender como oceanos, mares e lagos aumentam e diminuem ao longo do tempo ajudou a determinar que um fóssil de Homo erectus encontrado na África tem 1,855 milhão de anos de idade. A descoberta torna o occipital (um osso do crânio) achado em um lago do Quênia o segundo fóssil mais antigo identificado em todo o mundo do Homo erectus, um antepassado dos seres humanos atuais. Por meio da análise de materiais coletados no solo da região do lago onde estava o fóssil, o estudo do IO calculou as datas em que ocorreram erupções vulcânicas e reversões no campo magnético da Terra, contribuindo para apontar com precisão a idade do fóssil. O trabalho sobre o Homo erectus, realizado por um grupo internacional de pesquisadores, é descrito em artigo publicado na Nature Communications em 13 de abril.


23 de março de 2021

Paleoceanografia da margem equatorial brasileira, projeto de pesquisa oceanográfica aprovado pela organização internacional IODP

Oprojeto de pesquisa oceanográfica "Paleoceanography of the Brazilian Equatorial Margim (PBEM-945)”, apresentado em abril de 2019 à International Ocean Discovery Program (IODP), pelo Prof. Dr. Luigi Jovane do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IOUSP), em parceria com cientistas de outros países, foi a única proposta brasileira 100 % aprovada. A proposta foi aprovada com avaliação “excelente” pelo Scientific Evaluation Panel (SEP) em 13/01/2021 após aprovação do Environmental Protection and Safety Panel (EPSP) e revisão externa feita por 6 pesquisadores internacionais. A expedição aprovada será agendada, no cronograma do Navio de Pesquisa Joides Resolution (JR), pela comissão Joides Resolution Facility Board (JRFB), que se reunirá em junho 2021 e, encaixará a Expedição PBEM-945 no itinerário que o Navio JR fará no Atlântico Meridional, ao longo dos anos de 2022-2024. A Expedição PBEM-945 coletará 5 testemunhos em um transepto entre as Bacia do Ceará e Potiguar começando de Fortaleza. Os furos serão feitos no talude, elevação continental, monte submarino (Platô do Ceará) e planície abissal ao longo de 2 meses de Expedição, cerca de 65 dias.


26 de agosto de 2020

Pesquisa é o “investimento mais inteligente” que um país pode fazer

I nvestir em pesquisa científica é a coisa “mais inteligente” que um país pode fazer, tanto para evitar crises quanto para sair delas, segundo o pesquisador Luigi Jovane, do Instituto Oceanográfico (IO) da USP, convidado desta edição da série Você e o Pesquisador. “É um investimento para as futuras gerações, um investimento tecnológico, um investimento em conhecimento, para formar mentes”, destacou. “As pessoas vão ter uma cabeça multidisciplinar, capaz de entender e resolver os problemas. Esse é o grande valor intrínseco da pesquisa.”


8 de setembro de 2019

Arquipélago com praia, rio e 3 vezes maior que o RJ é achado submerso no RS

Até afundar no oceano Atlântico, há cerca de 40 milhões de anos, a Elevação do Rio Grande, a maior cadeia montanhosa submersa da margem continental brasileira, deve ter sido um arquipélago com acidentes geográficos como os encontrados hoje ao longo do litoral. Em uma expedição com o navio de pesquisa Alpha Crucis em janeiro e fevereiro de 2018, uma equipe do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IO-USP) mapeou os topos aplainados da elevação e identificou terraços marinhos dispostos em degraus, com canais fluviais, dunas, cavernas e resquícios de manguezais.


26 de julho de 2019

Derretimento de gelo marinho no Ártico é dramático

Aimagem de um trenó de gelo puxado por cães no meio da água se espalhou pelas redes sociais nas últimas semanas. A foto foi tirada na Groenlândia, pelo cientista Steffen Olsen, e inflamou a discussão sobre o derretimento de gelo na região do Ártico. A Groenlândia, que compõe a região ártica, chegou a perder 40% de sua cobertura de gelo em apenas um dia. O número impressiona e é atípico para a época, mas o derretimento de gelo na região é mais complexo do que parece. Para esclarecer a questão, a Rádio USP conversou com o professor Luigi Jovane, do Instituto Oceanográfico (IO) da USP.


22 de agosto de 2017

Brasil corre risco de ser atingido por um tsunami?

Milhares de pessoas já compartilharam publicações de um tsunami que destruiria boa parte da costa brasileira, com ondas entre 30 e 100 metros de altura. De acordo com a suposta reportagem, a Nasa (a agência espacial norte-americana) teria emitido um alerta sobre o perigo iminente.